Arquivo da tag: relato de parto humanizado hospitalar

E foi assim… (Parte 3: Relato de Parto)

Cheguei à 35.a semana com diversas dores e contrações de treinamento que vinham de forma ritmada, trazendo a sensação de trabalho de parto – os famosos alarmes falsos. Assim, tive avaliações constantes. Na 36.a semana estava com 1cm de dilatação. Na 37.a tinha “quase” dois. Na 38.a o médico disse que talvez não passássemos das 39 semanas. Com 39 semanas e 3 dias, no dia 28/11, sexta-feira – meu aniversário de 5 anos de casamento – tive uma consulta, em que o médico me disse que estava com 3cm. Saí de lá com a sensação de que Luiza só resolveria nascer às vésperas do Natal.
No sábado passamos um dia super tranquilo em casa. À noite a mexeção dentro da barriga bateu forte, não sabia se era uma festa de despedida ou um sinal de que as coisas iam muito bem por ali. Fomos dormir cedo. Às 2h30am do domingo eu acordei o marido durante uma contração “diferente” e disse que ela nasceria naquele mesmo dia.
Como mãe de primeira viagem, assim que comecei a sentir as primeiras contrações por volta das 8h30 da manhã, imaginei que teria todo um dia pela frente, esperando o trabalho de parto se desenvolver. Pensei nas caminhadas que teria que fazer pra ajudar na dilatação. Resolvi tomar um banho quente, seguindo o meu manual de instruções mental. Foi aí que comecei a me desorientar. Não consegui tomar banho, não conseguia medir o tempo entre as contrações, não conseguia ligar pro médico nem pro marido que tinha saído pra comprar um remédio pra mim… as contrações estavam muito próximas uma da outra e super intensas. BEM intensas.
Fabrício chegou e ligou pro médico, que pediu a ele que me desse um Buscopan e aguardasse por 1h para ver se teríamos melhora ou se iríamos para a Maternidade. Cerca de 15 minutos depois eu já estava com dores muito mais fortes, suando, pedindo pelamordedeus pra ele ligar novamente pro médico explicando que não ia dar pra esperar e eu queria uma anestesia urgente-aqui-agora! Assim ele resolveu ligar pra Natacha, minha fisioterapeuta que esteve me acompanhando nas últimas semanas, imaginando que ela poderia fazer algo que aliviasse a dor.
Ela chegou, passou a acompanhar o processo me ajudando a ficar mais confortável e a tal hora se passou. Nada estava sendo parecido com o que eu havia imaginado. Na minha ideia eu chamaria a Doula, conversaríamos, faríamos massagem, depois chamaria a fisioterapeuta já com um quadro mais avançado, faríamos alongamentos pra só depois chegar ao ponto de chamar o médico e ir pra maternidade… Ao invés disso eu estava ali entre gritos desesperados, impressionada com a dor! Era uma intensidade tão absurda e as contrações tão próximas que eu não conseguia conceber o fato de que teria que me deslocar até a sala – quanto mais até o hospital!
Quando consegui sair do quarto a bolsa se rompeu. Era quase 11h da manhã. Tive a impressão de que, apesar de mais constante, a dor intensa era mais breve. Dava pra sobreviver me mover. De alguma forma a iminência da dor intercalada com o ápice eram bem piores do que a constante.
Partimos instantes depois pro hospital. Mala, bola de pilates, contrações e aquela vontade inexplicável de fazer força, que eu tanto ouvi dizer nos depoimentos alheios. A Natacha me orientou que tentasse controlar a força antes da avaliação médica… haja auto controle!
Ao chegarmos à recepção notei a espera cheia de gestantes. Enquanto esperava mais uma contração cessar pra me levantar do carro, Fabrício disse à recepcionista que estávamos com o quarto humanizado reservado, aguardando o médico e com a bolsa já rompida. Ela o instruiu a pegar uma senha preferencial, e ele veio me contar com uma expressão mista de medo e incredulidade, rs… Me levantei do carro e entrei na maternidade pronta pra questionar o critério de “prioritário” num ambiente onde só existem gestantes, mas antes de abrir a boca chegou outra contração e um rapaz (também com expressão de medo) me ofereceu o lugar pra sentar. Tudo o que consegui dizer foi “NÃÃÃÃÃÃOOOO” e debruçar na pilastra mais próxima.
Ali permaneci gritando perguntando se iam me deixar ali mesmo até que me passaram pra dentro da sala de avaliação. A médica plantonista disse que estava com 10cm e já estava nascendo, perguntou se eu preferia ficar ali ou ir pra sala de parto no centro cirúrgico, pois a sala de parto humanizado estava reservada pro meu médico que estava atrasado. (Vou pular a parte do quanto ela foi mal humorada, irritante e dispensável)
Eu na posição horrorosa com as pernas pra cima na sala de parto e meu médico magicamente apareceu, me mandou descer da mesa, pediu pra buscarem a banqueta na sala humanizada, desligou o ar condicionado e boa parte das luzes e ainda pôs uma musiquinha me perguntando se eu queria escolher o que ouvir, rs.
Ali eu finalmente me senti confortável, tranqüila e em paz. Apesar do desespero que bateu quando ele disse que normalmente o expulsivo pode levar de 3 a 6 horas na primeira vez.
Mas Luiza tinha pressa, veio em mais ou menos 40min. Linda, perfeitinha, toda inchada e torta, roxinha e com um semblante tranquilo, ela veio direto pro meu peito. Não chorou! Papai disse com ela emaranhada nos nossos braços: “filha, você não vai chorar?”, e foi prontamente respondido por um breve e doce “nhé”!
Pesou, mediu, mamou e não houve nenhum procedimento que não autorizamos. E como de praxe, depois da passagem dela não senti mais nenhuma dor, apenas a euforia de ter minha filha entre nós! A euforia beirou o desorientamento, passei o dia abobada, falando pelos cotovelos e impressionada com a criaturinha que esteve todo esse tempo me acompanhando silenciosa, que agora soltava “miadinhos” e trazia tanta alegria ao mundo externo!
No dia seguinte, exatamente 24h depois de entrarmos no quarto da maternidade com a Luiza, estávamos a caminho de casa, com um bichinho pequeno, saudável e fofo num macacão vermelho, pra trazer sorte. O início de uma nova vida pra nossa pequena e linda família.

Importante: Nesse momento uma das coisas que mais me tocou foi a reação dos amigos – felicitações lindas, sinceras e emocionantes. Que Deus abençoe cada um :*

IMG_1386-0.JPG