Arquivo da tag: wonderfultwo

Kaputt geworden

Luiza, quase 32 meses, com o bilinguismo batendo forte.

Sobe no sofá e diz “Ich versuche nochmal” (eu tento de novo)
depois de dez tentativas ela quase toma um tombo e fala repetidamente “ich xxxxxx kaputt, ich xxxxxx kaputt, ich xxxxxx kaputt!”
Sem entender eu falo:
– Filha, fala em Alemanha – pois ela chama alemão de Deutsch e Português de Alemanha.
– Eu CAPUTEI! (eu capotei)

E mais associações maravilhosas estão por vir… haha

Um sonho

No meio da madrugada a Luíza dá um grito. Eu, de praxe, abraço ela e digo “calma, tá tudo bem”. Aos 2 anos e meio ela, pela primeira vez, desenvolveu o assunto:
– É que o meu copo da Peppa derramou… na piscina… porque a menininha derrubou o meu copo… e o copo fugiu na piscina.
Expliquei que era sonho, que o copo tava na cozinha e que a mamãe e o papai estavam aqui com ela.
– mamãe, tem uma dona aranha
– subindo na parede?
– é… Subindo no meu braço.
– ela deve estar querendo brincar com você.
– porque… ela… fez dodói no meu cotovelo.
– Então a mamãe passa Água Rabelo.
– Tem mosquito no meu pé.
Segurei os pezinhos e falei – pronto. Esse mosquito não faz nada, é só mexer que espanta. Mas filha, a gente está em casa. Você tá sonhando com a piscina. Tá no quarto com a mamãe e o papai.
Silêncio. Pediu água.

Logo depois dormiu de novo.

Maternagem Eterna

Tento fazer do meu blog algo além da maternagem, mas não por acaso tenho sido mãe 24h por dia. E nunca pensei que essa tarefa fosse me pertencer, muito menos ~tomar tanto tempo na minha vida. Porque mesmo quando eu estou estudando, quando estou escrevendo, quando estou passeando, eu sou mamãe. E minha prioridade 1 na vida é ter uma cria saudável; a número dois é tentar ajudá-la a se tornar um adulto forte, de caráter e, acima de tudo, humano.

Depois disso vem aquela parte de diversão, grana, carreira (hahaha) e sei lá mais o quê. Claro que a gente não pausa uma parte da vida pra viver outra, mas é nítido como atualmente tudo gira em torno do bem estar da nossa família.

Pois bem, eu parei de amamentar a Luiza faz uns 2 ou 3 meses, eu não sei ao certo. Não planejei o desmame e acabei não memorizando a data em que ele aconteceu. Desde então eu convivo com muitas mães que ainda amamentam, com filhos – em sua maioria – menores que Luiza, e sempre me vejo tentando falar algo sobre a minha experiência, embora eu tenha convicção de que não necessariamente vai ajudar. Daí entra o meu exercício de empatia e acolhimento – e menos falação.

Mas aqui é meu lugar de falação, hehe.

Não vejo obrigatoriedade da amamentação e agradeço aos céus por ter amamentado a Luiza tanto tempo, mesmo achando que, na minha percepção pessoal, não parece tanto tempo assim. Cada caso é um caso, e o meu por sorte foi muito mais suave do que vejo por aí.

Sim, houveram incontáveis noites em que ela acordava incontáveis vezes. E ela mamava e eu dormia. Em várias ocasiões ela também doriu na própria caminha até 3 ou 4 da manhã, pra depois acordar 5-9 vezes antes das 8h. Eu não fiquei sã o tempo todo, as vezes eu ficava bem cansada. Mas daí eu pensava no quanto ela ia ser bebê por pouco tempo. Eu mesma tô aqui com 33 anos e só mamei até os 3. Depois passei a dar outros tipos de trabalho pra minha mãe 🙂

Agora estamos numa fase super tranquila. O Terrible Two é uma grande piada por aqui, ela chora pra fazer coisas que já estão em curso, mas também para logo. Quer fazer tudo sozinha. Na maioria das vezes eu deixo, e pronto. As vezes ela chora porque não quer que eu escove os dentes dela, mas em 20 segundos ela abre a boca e se contenta em segurar a ponta da escova. Eu tenho um anjinho, ela é um amor, ela passa dias sem chorar, consegue se comunicar muito bem e isso diminui bem sua frustração ; talvez por isso ela chore pouco. Confesso que tentei me preparer pra algo muito pior.

Ela no mundo

Mas como se sabe, cada um sabe a dor e a delícia da sua própria vida, e por aqui eu aprendi a agradecer pelas bênçãos, pelas tretas e entender que tudo é normal. Vai ter dia difícil, vai ter dia mágico e faz parte da vida, então me altero pouco. Imagino que, por uma eventualidade, a vida pode acabar aqui, amanhã, ou daqui a 100 anos, e não quero estar pensando que estava me lamentando. É um exercício pesado no início, mas eu me acostumei e hoje agradeço até pelas chuvas e pelas meias rasgadas.

E em dias terríveis de decepções, mortes, desesperanças políticas, impasses… nada melhor do que ter um amor imenso sorrindo e dando esperanças de que em algum momento estes seres de luz vão fazer o mundo brilhar.

28 meses

A fase do porque chegou aqui. Não a famosa fase de perguntar o porquê das coisas. Luiza agora fala “eu vou pra casa porque eu não vou pra piscina”. “eu quero descer porque eu não quero mais comer”. “ficou escuro porque a piscina tá azul” – a última frase é sobre o letreiro da piscina que fica azul a noite e branco de dia. Aqui do meu lado ela acabou de dizer “O papai vai me levar no Legoland porque eu quero ir no Legoland”. O “porque” não é necessariamente um “porque”.

Ela tem uma memória fotográfica impressionante: reconhece logomarcas de todas as lojas e mercados que frequentamos a partir do primeiro contato, identifica as diferentes linhas do metrô pela cor e o número e conhece quase todas as letras e números. Ela se lembra e menciona detalhes e símbolos de forma que as vezes levamos semanas pra associar.

Há uns 3 dias ela estava brincando com um brinquedo de madeira quando pegou dois triângulos verdes e colocou base com base falando “olha, igual do Brandemburgo!”. Eu fiquei tentando entender. Ontem andando de metrô eu percebi que ela estava falando do botão de abrir a porta do metrô, que tem esse símbolo de duas setas em direções contrárias.

estampa nas janelas do metrô de Berlin
Eu sempre pergunto o que tá desenhado na janela e ela responde “É Bandebugo”

Ela passa pelo U Bahn e fala “O Berlin azul/laranja/amarelo/seja qual for a cor da linha”. Mas se ela passa pelo S Bahn, ela diz “Esse é o trem”.

Nos últimos dias a gente tem percebido que ela está se sentindo piadista. Sempre diz algo e forja uma risadinha com a mãozinha na boca. Uma das piadas foi chegar com as mãos pra trás perguntando “onde tá minha mão?”, e depois mostrar “tá aqui! hihihihihi” <3 E o pique-esconde? "Eu tô escondida!!", e eu respondo algo como será que a Luiza tá na cozinha? e ela grita “Naaaaaao, eu tô na cortina!!”.

E ela se envolve nos assuntos alheios: estávamos falando sobre um currículo que Fabricio precisava imprimir e ela veio imediatamente dizendo “mamãe, eu quero um currico!”

Sao milhares de palavras por minuto, muitas risadas todos os dias e muito cuidado com o que mais essa criaturinha vai absorver sem a nossa supervisão, rs.