Arquivo da tag: trabalho

Natgeo Berlim

Numa manhã comum, fomos levar a pequenina de bike pro KiTa. Fomos os dois, pois no sistema deles a cada semana uma das crianças leva o café da manhã, portanto a cada 10 semanas somos nós. Fui, então, levando as compras e Fabrício foi levando a pequena.

Saindo de lá, flagramos um Corvo atacando, matando, depenando e comendo um pardal. Anteontem eu tinha visto um outro corvo comendo um pombo que estava recém morto e pra mim foi suficientemente perturbador. O de ontem foi um pouco mais intenso.

Em seguida, voltando pra casa, passamos em frente a um parque no quarteirão de baixo e vi uma raposa. Gritei pro Fabricio olhar e, não sei se por isso ou pelo movimento das bicicletas, ela recuou e ficou olhando a gente passar.

Voltei pra casa quase tão eufórica quanto a vez que estava em Pipa vi um golfinho pelo qual eu não estava procurando nem esperando, hahaha. Quase esqueci aquele corvo…

É muita emoção na vida do imigrante, e tudo antes das 9h00.

Natgeo Berlin

E a aventura continua.

PS: uma vez eu vi um carcará atacando um joao de barro e destruindo a casinha pra alcançá-lo. Também não achei bonito.

Cor-de-rosa

Eu nunca fui do time cor de rosa. Eu gostava de azul e de vermelho. Depois só de vermelho. Depois de amarelo. Não fui impressionada pelas princesas nem por nada mais da Disney. Tive minha filha no meio da primavera feminista, o que me deixou ainda mais atenta a como/quando/porque expor à minha filha essas miudezas. Então eu sempre fiz questão de ter coisas de todas as cores e apresentar todas as coisas, sem imposição de gênero.

Somados à isso, eu tenho uma política de sempre dar à Luiza duas ou no máximo três opções, e com essa limitação tento ensinar que ela tem uma liberdade, mas dentro do que é oferecido por nós (A.K.A. necessário). A estratégia serve em qualquer âmbito: quer comer banana ou mingau? Quer vestir o casaco azul ou o roxo? Quer escovar os dentes com a escova de galinha ou do macaco? Quer ir de mãos dadas ou no colo? Não há opção de não executar a ação. E se ela resiste eu explico que algumas coisas a gente faz sem gostar mesmo, emendando uma historinha de porque é preciso fazer aquilo.

E hoje… um dia comum, mas provavelmente uma das últimas vezes que eu levo a Luiza de carrinho até o Kita – porque o papai vai passar a levá-la de bike. Aproveitei que vi um pai passando de bicicleta com o filho na mesma situação, eu disse pra Luiza: “olha lá filha, é assim que você vai amanhã pro Kita”, e no intuito de falar sobre o capacete que ela vai precisar usar eu continuei:

– E tá vendo aquele chapéu verde que o menininho está usando?
– Chama capacete, mamãe!
(hahahaha)
– É o que, filha?
– Capacete!
– Ah, que bom que você conhece o capacete! Então, o papai vai te levar na loja pra você escolher um pra você.
– Pode ser Rosa, mamãe?
– Claro, meu amor. Pode ser rosa, pode ser amarelo, pode ser azul, pode ser de jacaré, de Bob Esponja, de Hello Kitty…
– O da Luiza é rosa.

Daí a mãe engole o choro e começa a rir. Pode ser rosa sim, com sorte não vamos ter na loja uma opção de um rosa que *EU* ache muito feio.

E, a julgar pela nossa experiência, é praticamente impossível que a Luiza mude de idéia.

EDIT: animais (zebra e pato inclusos) > cor de rosa. Obrigada, Universo!

"Mamãe, eu gostei de andar na neve!"

A post shared by Cintia V A Cinelli (@civinhal) on

Capacete infantil cor de rosa para ciclismo
O meu é rosa

das Abenteuer

Há meses tentando um post self centred. Não consigo. Embora eu faça um super esforço pra valorizar a minha individualidade eu estou descobrindo que ela é utópica. A pessoa passa 30 anos pra se entender, e quando finalmente tá fazendo um bom trabalho vem a gravidez, a filha, a inversão de tudo e mil sentimentos que não tinham nome começam a fazer parte do dia a dia.

Eu me vejo na Luiza e tenho lembranças de situações que eram completamente reprimidas ao vê-la fazer coisas que se assemelham à minha visão de mundo quando criança. Ao mesmo tempo eu vejo, nas minhas ações, muito do meu pai e várias coisas da minha mãe. Vou lá, faço e a lembrança vem. Eu sou um elo entre meus pais e minha filha, rodeada de inputs malucos advindos de uma aventura que eu escolhi viver.

Não tô falando só da aventura alemã (que é uma wichtig Abenteuer), mas dessa vida inteira. Das escolhas que fazemos a cada passo dado e como lidamos com as consequências trazidas pelo percurso. Eu escolhi ser otimista, ou aprendi a ser otimista, não sei ao certo. Sou boba-alegre, fico encantada por pouca coisa e como sempre digo: me divirto muito com muito pouco.

né?
né?

A verdade é que o pouco pode ser muito quando a sensação é de que você carregou um peso grande por anos a fio. Tudo parecia turvo, trabalhoso, tortuoso. Com o tempo você aprende a colocar os problemas em uma escala aceitável ao seu sistema nervoso, vai moldando as formas de receber o que te machuca/preocupa e vai amenizando as reações negativas… até chegar um ponto em que a tristeza é acolhida, assimilada e depois superada. Aceitei que as coisas vem e vão.

E nesse redimensionamento eu coloquei a individualidade (ou individualismo?) num patamar quase bobo. Sim, é saudável você saber das suas coisas, suas prioridades, sua vida. Mas a gente tem que saber acolher, ter senso de coletividade e resgatar a compaixão. Eu eu espero conseguir viver isso sem deixar de me divertir. Do contrário, qual seria o sentido da vida? No mínimo a gente precisa ser feliz na vida que nossos pais, a ciência, o cosmos e Deus nos deram.

PS: levei 10 minutos pra escrever o texto todo e outros 5 pra lembrar como conjugava o verbo “dar” na última frase. Em Português. Tá feia a coisa.

iu e precisei

Luiza tropeça na onça de brinquedo:
“Eu picisei na onça”

Mais tarde, voltando do Kita de metrô – o qual ela insistentemente chama de “Berlin”.
“A gente iu de Berlim”

Manda mais, pfvr.

Um pedido

No dia do atentado em Berlim estávamos voltando de um supermercado quando soubemos do episódio. Rapidamente entrei no Facebook e vi algumas pessoas que já tinham feito contato preocupados com a gente, mas vi também uma ferramenta fofa pra você se marcar “a salvo”, e assim o fiz. Aos poucos, todo mundo que tenho contato aqui foi fazendo o mesmo.

O local dessa tragédia é a uma estacao da que estive naquela tarde pra ir pro curso de alemão. Dá pra ver um lugar a partir do outro. É bem perto de casa, mas nâo é na minha esquina. E nós só passamos por lá uma única vez, ainda de férias, no verão.

Surgiu na minha cabeça aquela sensação de estar com o perigo por perto, mas eu resgatei a segurança que sinto diariamente caminhando pelas ruas por aqui – coisa eu evitava fazer desde que me mudei pra Brasília em 1998, quando soube de um assassinato de um garoto na quadra vizinha à luz do dia.

Passado o susto, passada a sensação de terror e a lembrança de que há muitas outras vítimas inocentes ao redor do mundo, comecei a fazer orações pelas almas e seus familiares. E, além disso, fui contemplada com a sensação de gratidão. Pela minha vida, pela saúde da minha família, pelo livre arbítrio e por todas as decisões que nos trouxeram até aqui. E, principalmente, pelo entendimento do privilégio que é poder estar onde estamos e tentar fazer algo bonito com isso.

2016 ainda não acabou… tem sido um ano desafiador. Em 2017 que tenhamos sabedoria, empatia, amor e humildade em doses cavalares. E que não nos deixemos rotular, generalizar, odiar ou desistir.

My favorite station #lights #sassy #myneighborhood

A photo posted by Cintia V A Cinelli (@civinhal) on

Sejamos fortes.

Paz.

Deutsch lernen

Quem disse que a vida é curta pra aprender alemão talvez não tivesse um propósito que o estimulasse o suficiente. É uma língua doida com umas regras gramaticais de lascar, mas eu juro pra vocês que é possível. Eu ainda não falo nada, fico que nem uma bobona fazendo mímica quando preciso falar alguma coisa pra alguém. Mas a audição tá identificando as palavras, a leitura não assusta tanto e hoje eu consigo dar risada da minha incapacidade em falar algumas coisas que hoje não me parecem tão impossíveis.

É difícil, é caro, dá dor de cabeça, você se pergunta POR QUÊ, SENHORA DEOZA? mas a coisa anda. Além disso tem seus encantamentos. É super fonética e o vocabulário é extremamente lógico.

Pode ser meu excesso de otimismo… mas diz aí se não fica mais fácil viver assim? Essa semana eu usei o google tradutor pra mandar 3 emails, mas tentando fazer de uma forma bem simples, usando os tempos verbais que já aprendi e o máximo de vocábulos que já conheço, pois assim facilita que eu consiga compreender/aprender o que eu tô emitindo. Em uma das ocasiões a pessoa elogiou o meu alemão (mal sabe ela que é o do Google), hahaha.

Note to self: v se pronuncia f, ch se pronuncia r, l é aquele l que tem que bater a ponta da língua nos dentes superiores dianteiros, não rola de falar como se fosse o u.

E persistência.

Que rotina?

Nos últimos anos, se você é minimamente ligado no tema já teve acesso a algumas dezenas de artigos que tratam da culpa materna. Há um crescente movimento contra a romantização maternidade e da gestação. Um Viva a estes processos, porque a gente não merece passar a vida achando que é a única mãe imperfeita do mundo.

Aqui, em meio a uma fofura sem fim e meu eterno encantamento pelo desenvolvimento da pequena, eu tenho sofrido diariamente – e excessivamente – pelo fato dela não estar conseguindo entender a rotina. Estamos na seqüência mudança de casa > mudança de país > sol se pondo antes das 16h > dois anos > escola nova (eu já li sobre uma fase de regressão do padrão de sono aos dois anos, me apeguei ao motivo).

Tô careca de saber que passa. Mas tá sendo duro botar ela pra dormir 2-4 vezes por noite, sempre bem depois das benditas 21h, que foi o horário dela literalmente desde o dia que nasceu.

Fico zonza de tensão conforme as horas da soneca da tarde vão passando. Quando ela acorda e vê que está escuro lá fora é um sacrifício fazê-la entender que ainda não é hora de dormir. Junta tudo isso com o apreço ao “eu não quelo” dos últimos dias… É dureza.

Como mencionei no último post, sou boa em relativizar os sentimentos, então tenho me policiado pra tentar suavizar o meu desespero, hahaha. Mas é difícil e, apesar de estar curtindo a temperatura, o aprendizado e cuidando de tudo pro inverno ser mais suave, eu estou contando os dias pro solstício.

Eu parei há alguns anos de encarar a virada do ano como um recomeço, mas saber que a partir do Natal nossos dias voltam a ser maiores me faz desejar 2017 todos os dias.

Continuo a nadar.

Como que faz com a pessoa que não quer acordar depois da soneca NUNCA?

A photo posted by Cintia V A Cinelli (@civinhal) on

Monólogos

Acordou faz uns 20 min e não parou de falar/cantar um instante. Dentre as pérolas:
“O Papai não tem mamá”
“A cabana chama o castelo”
“Mamãe, acho que a zebra voou”
“Oooolha! Um monte de azul! Azul é blau blau blau”
“Cadê o Papai?” (Foi pra aula)
“Eu tô sem Papai!!” (Abrindo os braços com as palmas da mão pra cima forjando um desespero)
“galinha, o Papai vai voltando”
“Eu quelo pizza de prato roxo”
“A mamãe é muito grande”
Sobe na cama, vai até a beirada e diz “como que você desce agora?”
“Deixei a amalela na cadeila do blau” (o imã amarelo na cadeira azul)

Teremos um longo dia pela frente 🙂

Luiza descobriu que os ímãs colam na cadeira
Luiza descobriu que os ímãs colam na cadeira

Dois lados de uma mesma moeda

PRIMEIRO ATO

Ontem fomos ao Jungenamt atrás do Kita Gutschein pra podermos colocar Luiza no KiTa.

(Viram como eu disse ali umas palavras que só fazem sentido aqui? Pois é, essa é minha esperança. Eu vou aprender alemão, aguarde e confie)

O Jungenamt é o nosso juizado de menores e, ao contrário do Brasil, pra matricular um filho na escolinha (Kita) devemos ter uma “autorização” – literalmente um voucher (Gutschein) – dizendo por quantas horas você pode deixá-lo lá. Posso estar perdendo alguns pontos da explicação, mas basicamente é isso.

Daí uma amiga me ajudou preenchendo os documentos online e eu reuni todos os dados necessários (registro de residência na cidade, cópias de passaporte e matrícula no curso de alemão – ainda faltou o documento que comprova o trabalho do Fabricio). Sim, amigos, estamos num país extremamente burocrático. A diferença é que aqui a burocracia não é redundante, ela é extensa porém direta.

Enfim, depois de um grande esforço pra entender onde era o local onde eu deveria entregar a documentação, jogamos o endereço no Google Maps nosso mais fiel escudeiro e tomamos dois ônibus até lá. Chegamos cerca de 20 min antes do fim do horário de atendimento. No primeiro ponto eu perguntei se podia falar inglês, o rapaz me respondeu que não – em alemão, claro. Apontei pro documento que eu tinha em mãos e ele me respondeu em inglês pra eu ir até o Infopoint.

Sim, eles me parecem confusos às vezes.

No Infopoint, que era bem na porta desse prédio gigante e lindo – que eu me arrependo no momento por não ter fotografado, mas o farei em breve – eu fiquei esperando até que algum dos dois pontos de atendimento vagassem. Porque já aprendi aqui que você aborda o atendente, e não o contrário.

Neste momento, meus amigos, algo muito emocionante me aconteceu: eu proferi meia dúzia de palavras em alemão e… ELA ME ENTENDEU! (inserir fogos de artifício aqui) Eu tive muito orgulho de mim por ter conseguido me comunicar. Mas obviamente não entendi praticamente nada do que ela me disse. Só post e haus, logo eu soube que me mandariam o que quer que fosse pelo correio. Claro, fiquei insegura e pedi minha amiga pra perguntar se era isso mesmo pelo áudio do whatsapp, que eu mostrei pra tia e mandei outro de volta com a resposta pra ela me confirmar.

Resultado: funcionou. Preciso voltar lá pra terminar de entregar a documentação, mas o processo está encaminhado.

SEGUNDO ATO

No Kita, preenchendo o papel de requerimento de vaga (sim, porque não basta o voucher, você ainda luta até conseguir uma vaga).

Atendente: Endereço?
Cintia: Merseburger strasse
A: Bitte?
C: Merseburger strasse
A: Sorry, I don’t get it.
C: Merseburger strasse. Let me show you (e abro o Google Maps mostrando o nome da rua)
A: Ah, ok. Merseburger strasse.
C: Como vocês pronunciam em alemão?
A: Merseburger strasse.
(este diálogo aconteceu em inglês)

Eu juro que falei a mesma coisa que ouvi. Juro. Ela só disse mais devagar. Tem alguma coisa muito errada.

Sim, às vezes eu pareço confusa pra eles.

E a aventura continua.

O paradoxo da escolha

Quando era criança eu gostava de matemática e de português. Quando me mudei pra Brasília aos 14 anos, vi na mudança uma possibilidade de aumentar minhas chances de trocar dos dedos de prosa com qualquer pessoa que eu quisesse, sem medo de julgamentos. Como explicar isso? Vi no carinho dos colegas que se despediram em BH, um incentivo pra explorar melhor o meu “eu”, e desde então eu as vezes me pego a cuidar da minha imagem – ironicamente pra ser o mais autêntica e despretensiosa possível.

Aos poucos fui me desvencilhando do que me era esperado, e talvez tenha tomado decisões não tão corretas, prezando pelo meu apreço à contradição. Os professores no terceiro ano não acreditavam que uma aluna com tanta facilidade lógica e matemática iria rumar pra comunicação. Apesar de ter questionado essa decisão algumas vezes ainda acho que meu raciocínio sistematizado é um diferencial na minha área de atuação. Aos 30 anos eu me vejo tão assertiva quanto aos 20, mas agora com uma certeza nítida de que não sou dona da verdade e preciso aprender e analisar antes de apostar em algo. Menos teimosia, mais humildade.

Ha 6 meses eu estava desempregada, tentando me acertar comigo mesma, medindo qual seria o melhor caminho a ser tomado. Ha 10 dias me despedi novamente de um emprego fixo, mas dessa vez com o maior de todos os ânimos, uma necessidade absurda em dispersar energia e a certeza de estar no lugar certo, na hora certa, com consciência e integridade (física e mental) que tornam meus próximos passos promissores sejam estes quais forem.

Quando se tem boas a opções, a escolha é baseada no que estamos perdendo. Neste caso, me sinto abençoada por saber que todas as vias à minha frente estão repletas de luz – e que toda a luz é projetada pela minha percepção, que nunca foi tão otimista!