Revisão – Mais, mas não do Mesmo

Capítulo 10

A crise existencial aqui se tornou tão comum que ficou pequena o suficiente pra não me fazer tropeçar. É uma cutucadinha da angústia de existir no meio do dia, um rodopio de um vazio frio no meio do peito que se expande de uma forma desinpactante e me tira do corpo por dois, três segundos. Os segundos parecem minutos, mas o resíduo que permanece dentro das dependências físicas do corpo se mantém firmes em seja-qual-for a atividade e acaba ganhando esse cabo de guerra. 

A sensação é de que nos primeiros anos da vida o que fiz foi nadar nadar nadar e {morrer na praia} chegar numa ilha de realidade paralela em que ao invés da areia temos uma geleca muito brilhante e escorregadia. Todos os tombos fenomenais que tomei no decorrer da história me muniram de jogo de cintura e traquejo pra evitar quedas similares, o que seria de grande serventia se o chão me fosse familiar.

Tava lá, num desconforto normativo. Estudei, casei, tava atrás de correr atrás do meu, meus amigos e eu estávamos ali curtindo aquela bolha divertida e insatisfeita quando fui inundada pela inadequação da maternidade {num mundo onde aprendi a relacionar minha dignidade} à produtividade {no sentido capitalistão da palavra} tipicamente masculina. Depois fui caçar sarna pra me coçar na Europa, fui chefe de europeu e, por fim, quando tudo ainda estava bem complexo, me separei conscientemente de um casamento bom.

Pronto. Agora é só atravessar esse inferno aqui.

Só que na travessia eu adoeci. E hoje, gente, qualquer uma dessas fases, dessas versões, desses papéis que vivi até aqui me parecem causos sobre um personagem simpático. Não no sentido de falta de autenticidade, mas simplesmente por não me reconhecer. Não me entendam mal {se é que realmente tento me fazer entender} eu pus minha energia honesta, criteriosa e corajosa em cada um dos meus passos, e minha gratidão pelos resultados é a única coisa que faz aquele urso ir brincar em outro quintal.

Honestamente, com tanta coisa que sinto e que tento perceber – única e exclusivamente devido a uma rasteira de um víru que me fez cair de cara no asfalto- comecei a repetir muito a frase “eu não estava prestando atenção”, porque realmente me faltava o acesso a camadas da minha pele pra dentro. Minha existência era a relação com os outros e com o mundo. Nunca me esqueço quando do mais fundo do poço eu li na rede de imagens ‘você prioriza muitas coisas até perder a saúde’. Indeed

Há um ano eu fui internada {pela terceira vez naquele ano, pois tive pressa de resolver isso e voltar a secar esse gelo} para investigar doenças auto imunes e reumatológicas, porém tive lá um dos ataques de enxaqueca mais horrorosos da história e alguns ataques de xenofobia que deram quase tanto quanto. Sobre os exames não houve nenhuma conclusão. Naquele fim de semana eu saquei durante uma rotina da manhã qual era a base do problema que não me deixava enxergar com clareza há 8 meses. Sozinha, em casa, em estado meditativo. {Ah, a presunção da autoridade…}

Depois disso eu não consegui mais trabalhar… tentei, talvez uns 5 dias, não funcionava. Pra fins comparativos, De fevereiro pra cá tenho menos sintomas e mais leves, e o máximo que já consegui lidar com um computador na minha frente deve ter somado aproximadamente 10 horas por semana. No ano passado eu passei meses sem olhar pra tela… Mas a única coisa que me fez largar o osso do trabalho foi não ser capaz de ler por conta do problema na visão. Eu vinha trabalhando já há 6 meses com dores crônicas e constantes faltas com atestado médico, mas me habituei desde a infecção do covid a checar as coisas duas vezes. No fim eu mais checava do que produzia, e constantemente eu tinha uma sensação de não conseguir resolver um problema num dia quando no outro a resposta aparecia fluido e naturalmente.

Persisti em algo que claramente está blindado por uma resistência, que não parte da situação, mas do próprio corpo. O corpo pede, mas o tempo urge, o corpo insiste, tempo é dinheiro, o corpo grita, é preciso entregar, o corpo para e só resta… cuidar do corpo.

Mais dificil do que fim de relacionamento, dor de dente, mudar de continente, dieta de carboidrato na Itália… a Pausa. Estou há dois anos aceitando a desaceleração e ainda não concebi o conceito do descanso, não entendo como passo meus dias focada em encontrar a pausa, descansar, relaxar e minha agenda tá cheia de coisa. 

{E a milenial geriátrica aqui continua no limbo entre os bem aventurados e os desapegados, sem lugar num mundo saturado, onde olho por olho e dente por dente é poesia}

Eu adoraria, meus amigos, dar um fechamento a esse texto, como sempre procuro fazer. Mas a realidade é que as ultimas duas semanas me deram rasteiras e estou aqui tentando observar o progresso apesar dos transtornos. A realidade é que, no momento, mais me parece que os tombos naquela ilha sem areia se tornaram ainda mais frequentes, porém caio com alguma graciosidade e sem medo de perder a vida, seja ela qual for.

Continue Reading

Meu trabalho em Berlim

Definir prioridades priorizando qualidade de vida

Originalmente postado em 12.03.2019

Quando comecei a trabalhar fiquei impressionada com a falta de assuntos de cunho pessoal, com o fato de ninguém abrir o próprio email ou atender o telefone. Afinal, there’s no fun in Germany.

Lembra desse meme?

Eu só tive experiência com uma empresa na Alemanha até o momento, então não sei se tive sorte ou se é um padrão. Diversas vezes no escritório me disseram pra não levar o trabalho pra casa. “Eu faço isso, você tem uma família, eu não”. Família é mais importante, saúde é mais importante.

Na minha entrevista de emprego, o entrevistador era o diretor de operações da empresa, atualmente meu chefe direto. Não me lembro de ele ter perguntando se eu tinha filhos, mas eu mencionei a filhota ao dizer que não gostaria de fazer o trabalho em horário integral. A resposta foi que eu poderia fazer 30 ao invés de 40 horas, pois a diferença do salário não compensaria minha ausência na vida de uma criança pequena. “Se eu fosse pai não trabalharia horário integral”. Chamei a miúda de “meu melhor projeto” e ele me disse sorrindo que com esse nunca iriam competir. Anotado.

Tive uma enxaqueca na sexta passada e meu fim de semana ficou esquisito. Me senti cansada na segunda. As 15h, pouco antes de sair, pedi a terça de férias pro novo chefe (que está no cargo há uma semana), ele disse “sem problemas, eu fico no floor, é bom pra me familiarizar com a equipe”.

Achei prudente avisar o atual chefe, mandei um whatsapp com algo como “Amanhã não virei, preciso ficar em casa. Minha enxaqueca não foi totalmente embora. Vou, porém, checar os emails pois tenho uma call com cliente X as 13h”. A resposta que recebi foi exatamente: “Sure. Take some rest. And don’t work too much.”

Aprendendo a língua :)

Sou chefe de uma equipe de 15 pessoas em expansão, tenho 3 pessoas de confiança (algo que seria como coordenadores) que junto dos meus dois chefes fazem minha presença saudavelmente dispensável por alguns dias. Ou duas semanas. Na ausência de um deles eu também faço o que estiver ao meu alcance pra minimizar o impacto.

Férias na Alemanha

Normalmente as pessoas têm de 25 a 30 dias úteis de licença paga por ano. Eles podem ser tirados isoladamente – como meu dia de hoje – ou em sequência. Ou seja, por serem dias úteis – ao contrário do Brasil -, uma sexta e uma segunda debitam só 2 dias no seu acordo e você naturalmente usa 4. Metade de um dia também pode ser usado – por exemplo pra uma visita ao médico.

Normalmente a cada mês trabalhado você está elegível a 2 dias de férias que podem ser acumulados, mas de preferência não muito, ha. Enquanto gestora, eu instruo que os dias isolados sejam solicitados no mais tardar na semana anterior e sequências com pelo menos um mês de antecedência — porém férias próximas ao Natal e de verão começam a ser planejadas com 3 ou 4 meses de antecedência. Assim consigo evitar ausências concomitantes de pessoas com mesmos habilidades/perfis.

Acontece as vezes de eu ir até um funcionário e pedir por gentileza pra ele agendar férias, porque em quase 5 meses ele pediu nenhum dia, ou poucos. O ideal é que, antes de cada 12 meses de trabalho serem finalizados, todos os 26 dias ou boa parte deles já tenham sido usados.

Fun facts about Germany

Eu vivo a seriedade com que a Alemanha é vista, mas também vejo uma Berlim despojada em uma média de 3 minutos por semana no meu trabalho. Sim, isso foi uma tentativa de piada ruim como as diversas que eu solto em momentos inoportunos e quase ninguém ri.

Dentro do escritório há muito pouco tempo hábil pra relações se tornarem uma amizade, porém há um imenso respeito pela necessidade do funcionário em passar tempo com sua família ou simplesmente fora do escritório.

Além disso, estranhamente pra uma brasileira como eu, existe uma verba pra gente passar algumas horas juntos fora do ambiente formal a cada 3 meses, visando nos conhecermos melhor.

Tem hora pra tudo: até pro happy hour. Now go back to work.

Continue Reading

Tesoura

Das doçuras da vida:
Luiza ganhou da tia Rejane há pouco mais de um ano uma “tesoura” num jogo de massinha de modelar; amarela, minúscula e toda de plástico, perfeita pro propósito.
Aqui estamos, 3 anos e 4 meses de esperteza com as palavrinhas, uma ótima coordenação motora e a inocência do tamanho dum bonde.
Toda vez – toda vez mesmo – que eu mencionava que precisava de uma tesoura pra cortar algo, fosse um fio, uma corda, tecido ou papel, ela instantaneamente me dizia:
— com a minha amarela?
O tempo foi passando e eu passei a responder que aquela não dava, porque ela é de massinha. Hoje ela pediu pra tirar esse (gancho) prateado das cabeças da Swoops e da Mimi, eu disse que dava pra cortar com a tesoura.
— pode ser minha tesoura amarela de massinha?

A frase aumenta, a fofura permanece.

Continue Reading

Manhei

Luiza há uma semana começou a usar um verbo novo, o MANHAR.

Filha, pega essa sacola pra mim? “Você tá manhando essa mamãe?”, “eu manho que vou de patinete”, “você manha que eu posso fazer isso? eu manho que não”, “mamãe, você manha que papai tá chegando?”.

Foram 3 dias de eu manho, você manha, está manhando até eu entender que ela traduziu o verbo meinen do alemão. Pra quem entende inglês, é parecido com o verbo to mean.

Agora alguém me avisa se é certo morrer de orgulho de um trem errado desse tanto?

Continue Reading

Quase três

Luiza pega o iPad e usa o microfone da busca do YouTube kids. Aperta, segura e diz:
– eu quelo a música do “nós gatos já nascemos plobes, polém já nascemos livles senhor senhola senholio”
Nenhum resultado. Ela reclama – Nein! – e repete a operação pacientemente: – eu quelo a música do “nós gatos já nascemos plobes, polém já nascemos livles senhor senhola senholio” – e solta o botão, sem encontrar nenhum resultado. “Nein!” – aperta de novo (loop ad infinitum)

————–

numa fase onde o fôlego é 4 ou 5 vezes menor que a frase, ela vem até a cozinha e pede:

“Mamãe, você pode ligar a Pelevisão com o cotlole do Blu uêi que tem a marque da Sungasung?”
(Mamae, você pode ligar a televisao com o controle do Bluray que tem a marca da Samsung?”

Sungasung. hahahahah, Obrigada Universo <3 #luizileaks #35meses

Continue Reading

Uooooouooooouoooo

A Luiza não apenas fala umas coisas divertidas, como também tem toda uma linguagem corporal engraçadíssima que eu não consigo registrar nem 1% em vídeo.

Nos atentemos a categoria de quedas forçadas.

Ela era bebê de quase um ano, aprendendo a andar. Quando caía ela deitava no chão como se tivesse o feito de propósito. Às vezes ela nem caía, era só uma desequilibrada, mas ela dava uma exagerada e forjava uma queda pra, por fim, ficar deitada no chão admirando o teto.

Agora, com quase 3 anos, ela tá com uma brincadeira onde começa a se equilibrar num pé só enquanto balança os braços e fala “uoooouoooouooouoooouooo” até ~cair.

A queda forjada tem as mais diversas consequências. Às vezes ela atravessa a casa nesse uooouooouooou – acho que pra escolher onde vai cair – e as vezes ela cai rapidinho mas continua falando “ouch, ouch ouch” enquanto rola pela casa. Quando pára, ela geralmente pede socorro:
– mamãe, eu caí aqui embaixo dessa cortina!! – com uma expressão facial digna dos momentos mais dramáticos de uma novela mexicana.

Hoje de madrugada, eu estava dormindo e acordei com um breve “ooouoou, ouch!” e uma aterrissagem perfeita com a cabecinha no meu ombro. Só não gargalhei porque o meu sono estava pesadíssimo, demorei a processar o ocorrido.

E foi assim que essa noite recebeu o prêmio da melhor invasão de cama dos últimos 2 anos 10 meses, deixando pra trás todos os “eu quero [dormir] na [cama] grande” e suas variantes.

Continue Reading

Férias, semana 3

Luiza de férias, papai no curso e eu deixo ela na TV enquanto arrumo umas coisas. Tô terminando e falo alto e firme:
– Filha, terminando esse desenho você vai tomar banho e escovar os dentes. Combinado?
– …
– Luiza, tá me ouvindo? Depois desse desenho você vai tomar banho.
– (zumbi)…
– Luiza, tá me ouvindo? Depois desse desenho você vai tomar banho,viu?
–…
– Filha, vou desligar a TV pra você me ouvir…
– …
– (chegando perto da TV) vamos desligar pra gente conversar…
– NÃO!
– Luiza, mas você me ouviu?
– uhum!! (Com sorriso sapeca)
– ah, ok. Depois desse desenho você vai tomar o que?
– (super feliz) tomar caféeeeee!!!

Contando os dias pro fim das férias.

Continue Reading

Planejamento ou fome

Tava ontem falando pra Claudia Ramos que, nesse primeiro ano de Berlim, a minha única reclamação era o breu. Os dias estão ficando rapidamente mais curtos e daqui a pouco a gente tem menos de 7 horas corridas de luz do sol. Mas a vida é cíclica, o outono acaba e o inverno chega aumentando os dias pouco a pouco… uma coisa linda de se ver e de se aceitar. Aprendizado, superação, sascoisatudo.
Daí hoje é domingo. Praticamente nada no comércio abre (com excessão de restaurantes ou pontos longe-da-minha-casa que tem mercado caso haja uma emergência). E eu não tenho mais polvilho e tô louca de saudade do pão de queijo que acabou essa semana.
Na Alemanha ou você aprende a se planejar ou você aprende a se planejar.
Bom dia.

Continue Reading

2 anos e 9 meses

Ela quer uma história específica mas não acha o livro. Eu digo “aí complica né filha?”. Me responde com as mãozinhas gordas em tom teatral feat. italiano:
“O complicado complica as coisas… porque… as coisas ficam muito complicadas. Ele. O complicado”.
Eu seguro o riso e concordo.
PS: Ela chama o ponto de interrogação de “complicado” porque uma vez ela perguntou o que era e eu falei que isso era complicado.

“Esse do biquíni é de por no mamá da mamãe. Mamãe, quando você fizer três anos você pode por assim” – e põe o sutiã na cabeça.

Hoje estávamos andando no metrô, ela me disse “mamãe, eu te amo”. Ainda ontem eu comentei com uma amiga que ela às vezes diz que me ama só um pouquinho. Essa espontaneidade dá um sabor especial à declaração.

Cada dia que passa a pequena me deixa mais orgulhosa das suas descobertas, mais emocionada pela sua personalidade e mais realizada pela companhia. Ela é um mundo de ensinamentos e me dá um caminhão de trabalho.

Vale cada segundo.

Continue Reading

Págens

Luiza um dia começou a chamar as páginas do livro de “págens”. Eu corrigi. Desde então ela fala página pra tudo que tá afim. Se bem conheço minha cria, deve ter uma lógica, mas ainda nao captei.

“Mamãe, essa é a página do metrô”, enquanto anda pela estacão.
“Mamãe olha aqui essa página” vendo o rótulo de um produto.
“essa é a página da piscina” olhando a placa da entrada.

A confusão permanece, porque ela acha que a língua com a qual nos comunicamos se chama Alemanha e se refere ao alemão que ela fala na Kita como Deutsch. Acho justo, mas fico meio perdida se corrijo ou não – principalmente porque já tentei e não adiantou.

Ideias?

Continue Reading