A série

Eu tenho uma série mental de coisas que me lembram o quanto eu amo/devo agradecer por estar aqui.

Resolvi registrar. Pra começar, já pedindo perdão aos vegetarianos:

Currywurst.

Currywurst
Currywurst

Por que?

Por muitos anos eu dizia que cachorro quente era minha comida preferida. Enjoei faz tempo, mas eu sempre senti falta do salsichão que eu comia na AABB quando era micro criança em Belo Horizonte. Na época eu comia com mostarda. (aliás, as mostardas daqui tão na minha lista também)

Passei uns anos frustrada procurando salsichão nas barracas de churrasquinho de festa junina. Me lembro de algumas situações específicas de pedir salsichão olhando o cardápio e o tio dizer que não tinha. Ano passado na fila da barraquinha de churrasquinho tivemos um papo sobre isso com um estranho, também frustrado pela falta da iguaria. A dona do lugar/churrasqueira disse que há anos não via pra comprar, por isso nem pensou em levar.

Daí eu chego em Berlim no verão de 2016, e a primeira coisa que a gente come – ainda no aeroporto – pra trocar o $ do ticket do metrô: Currywurst mit Pommes. Gente, é salsicha com ketchup, curry e batatinha frita. E eu, que nunca na vida comi ketchup, amei.

Minha amiga que estava comigo na ocasião disse que era típico aqui, que tinha em toda esquina, e eu pensei ‘ok, então eu posso morar aqui!’. Só que naquela hora, no aeroporto, a gente pagou 7€.

Agora eu almoço uma versão ainda melhor por €1,80. Recomendo.

(continua…)

Lais

“papai tila a sujela do dedo” com o dedinho esticado pro pai.
Enquanto ele acode eu pergunto “filha, de onde você tirou essa sujeira?”

– Do naliz.

A cara do papai foi impagável, hahahahahahahahaha

Cor-de-rosa

Eu nunca fui do time cor de rosa. Eu gostava de azul e de vermelho. Depois só de vermelho. Depois de amarelo. Não fui impressionada pelas princesas nem por nada mais da Disney. Tive minha filha no meio da primavera feminista, o que me deixou ainda mais atenta a como/quando/porque expor à minha filha essas miudezas. Então eu sempre fiz questão de ter coisas de todas as cores e apresentar todas as coisas, sem imposição de gênero.

Somados à isso, eu tenho uma política de sempre dar à Luiza duas ou no máximo três opções, e com essa limitação tento ensinar que ela tem uma liberdade, mas dentro do que é oferecido por nós (A.K.A. necessário). A estratégia serve em qualquer âmbito: quer comer banana ou mingau? Quer vestir o casaco azul ou o roxo? Quer escovar os dentes com a escova de galinha ou do macaco? Quer ir de mãos dadas ou no colo? Não há opção de não executar a ação. E se ela resiste eu explico que algumas coisas a gente faz sem gostar mesmo, emendando uma historinha de porque é preciso fazer aquilo.

E hoje… um dia comum, mas provavelmente uma das últimas vezes que eu levo a Luiza de carrinho até o Kita – porque o papai vai passar a levá-la de bike. Aproveitei que vi um pai passando de bicicleta com o filho na mesma situação, eu disse pra Luiza: “olha lá filha, é assim que você vai amanhã pro Kita”, e no intuito de falar sobre o capacete que ela vai precisar usar eu continuei:

– E tá vendo aquele chapéu verde que o menininho está usando?
– Chama capacete, mamãe!
(hahahaha)
– É o que, filha?
– Capacete!
– Ah, que bom que você conhece o capacete! Então, o papai vai te levar na loja pra você escolher um pra você.
– Pode ser Rosa, mamãe?
– Claro, meu amor. Pode ser rosa, pode ser amarelo, pode ser azul, pode ser de jacaré, de Bob Esponja, de Hello Kitty…
– O da Luiza é rosa.

Daí a mãe engole o choro e começa a rir. Pode ser rosa sim, com sorte não vamos ter na loja uma opção de um rosa que *EU* ache muito feio.

E, a julgar pela nossa experiência, é praticamente impossível que a Luiza mude de idéia.

EDIT: animais (zebra e pato inclusos) > cor de rosa. Obrigada, Universo!

"Mamãe, eu gostei de andar na neve!"

A post shared by Cintia V A Cinelli (@civinhal) on

Capacete infantil cor de rosa para ciclismo
O meu é rosa

das Abenteuer

Há meses tentando um post self centred. Não consigo. Embora eu faça um super esforço pra valorizar a minha individualidade eu estou descobrindo que ela é utópica. A pessoa passa 30 anos pra se entender, e quando finalmente tá fazendo um bom trabalho vem a gravidez, a filha, a inversão de tudo e mil sentimentos que não tinham nome começam a fazer parte do dia a dia.

Eu me vejo na Luiza e tenho lembranças de situações que eram completamente reprimidas ao vê-la fazer coisas que se assemelham à minha visão de mundo quando criança. Ao mesmo tempo eu vejo, nas minhas ações, muito do meu pai e várias coisas da minha mãe. Vou lá, faço e a lembrança vem. Eu sou um elo entre meus pais e minha filha, rodeada de inputs malucos advindos de uma aventura que eu escolhi viver.

Não tô falando só da aventura alemã (que é uma wichtig Abenteuer), mas dessa vida inteira. Das escolhas que fazemos a cada passo dado e como lidamos com as consequências trazidas pelo percurso. Eu escolhi ser otimista, ou aprendi a ser otimista, não sei ao certo. Sou boba-alegre, fico encantada por pouca coisa e como sempre digo: me divirto muito com muito pouco.

né?
né?

A verdade é que o pouco pode ser muito quando a sensação é de que você carregou um peso grande por anos a fio. Tudo parecia turvo, trabalhoso, tortuoso. Com o tempo você aprende a colocar os problemas em uma escala aceitável ao seu sistema nervoso, vai moldando as formas de receber o que te machuca/preocupa e vai amenizando as reações negativas… até chegar um ponto em que a tristeza é acolhida, assimilada e depois superada. Aceitei que as coisas vem e vão.

E nesse redimensionamento eu coloquei a individualidade (ou individualismo?) num patamar quase bobo. Sim, é saudável você saber das suas coisas, suas prioridades, sua vida. Mas a gente tem que saber acolher, ter senso de coletividade e resgatar a compaixão. Eu eu espero conseguir viver isso sem deixar de me divertir. Do contrário, qual seria o sentido da vida? No mínimo a gente precisa ser feliz na vida que nossos pais, a ciência, o cosmos e Deus nos deram.

PS: levei 10 minutos pra escrever o texto todo e outros 5 pra lembrar como conjugava o verbo “dar” na última frase. Em Português. Tá feia a coisa.