louça, roupa, whatever

Luiza ouve o barulho da máquina de lavar:
– tá lavando louça mamãe?
– não filha, tô lavando roupa!
– lavando a louça da roupa!

pra quem ainda não tinha entendido a “adolescência” dos bebês.

Lidl, parquinho, domingo

Luiza descabelada de pijama e carinha de sono, recém acordada:
– filha, sabe onde a mamãe quer ir hoje?
– no Lidl (um dos mercados aqui perto)
– não filha, hoje é domingo, o Lidl está fechado.
– domingo (seríssima)
– sim, hoje é domingo, mamãe quer ir pro par…
– qui-nhooooooo!
– isso, hoje é domingo e mamãe vai pro parquinho
– mamãe vai pro domingo e vai pro parquinho
– hoje é domingo e a gente vai pro parquinho
– a gente vai pro domingo, mamãe!

Introdução aos dias da semana com a mini pessoa que adora palavras novas.

Aprendiz
Essa semana a Telesão virou “Pelevi-são”

Monólogos

Acordou faz uns 20 min e não parou de falar/cantar um instante. Dentre as pérolas:
“O Papai não tem mamá”
“A cabana chama o castelo”
“Mamãe, acho que a zebra voou”
“Oooolha! Um monte de azul! Azul é blau blau blau”
“Cadê o Papai?” (Foi pra aula)
“Eu tô sem Papai!!” (Abrindo os braços com as palmas da mão pra cima forjando um desespero)
“galinha, o Papai vai voltando”
“Eu quelo pizza de prato roxo”
“A mamãe é muito grande”
Sobe na cama, vai até a beirada e diz “como que você desce agora?”
“Deixei a amalela na cadeila do blau” (o imã amarelo na cadeira azul)

Teremos um longo dia pela frente 🙂

Luiza descobriu que os ímãs colam na cadeira
Luiza descobriu que os ímãs colam na cadeira

Vida de mãe

Em outra ocasião eu falei sobre a anulação onde me percebi depois de algum tempo sendo mãe. Uma vez passado o tal do puerpério se é que isso passa – aquela fase vaca-parida que a gente se sente o mais bicho dos bichos – eu fui entendendo que priorizar minha saúde e bem estar é a melhor forma de manter minha filha bem.

Exemplo prático: eu fui incontáveis vezes até a cozinha porque tava sentindo fome ou sede. Alimentava/dava água pra Luiza e continuava os meus afazeres como se a missão estivesse cumprida. Eu chamo de maluquice, outros chamam de maternidade, desequilíbrio, amor ou sei lá o que. Mas o fato é que, por mais absurda que me parecesse a situação, eu NUNCA mencionei esse fato com alguma mãe que não fizesse uma cara de paisagem. “Sim”. “É assim mesmo”. “Acontece”. “Normal”.

A gente se vê em situações esdrúxulas, daquelas que a gente pensa que nunca vai permitir – antes desses hormônios, dessa energia, dessas bênçãos e desse amor doido entrar na nossa rotina. De repente somos responsáveis por outra vida (às vezes mais duas ou três, ou sete) e é um tanto irresponsável deixarmos a nossa própria vida em segundo plano.

Longe de mim generalizar os sentimentos maternos. Cada maternidade é única assim como cada filho é único. A mesma mulher tem estímulos, vivências e cenários diferentes de um filho pra outro, então a relação sempre é diferente. A percepção e a forma de lidar com isso também. O puerpério acontece de um jeito pra umas de outro pra outras. Mas é fato que temos que nos adaptar no novo formato familiar depois que um bebê chega.

Daí chego à constatação principal desse relato: pra ajudar uma mãe a ser menos doida e conseguir pelo menos por alguns minutos organizar a cabeça e a vida, ofereça ajuda. Mas uma ajuda do jeito que a mãe quiser, na esfera que ela quiser, sem soar prepotente ou invasivo. Com uma coisa a menos pra ter que pensar os outros milhões de pensamentos fluem melhor. Se acha que isso é problema dela e não quer ajudar ativamente: guardar seus pensamentos pra você já é excelente =)


Beijos de uma mãe que quer, dentre outras atividades, escrever três projetos, estudar alemão, estudar outras coisas, cuidar da casa, achar vaga no KiTa, se alimentar e dormir decentemente, brincar com a filha e ainda assim ter um blog ativo. Nem me pergunte qual parte eu tô conseguindo executar satisfatoriamente… Ainda assim cheia de gratidão e doida pra comemorar 2 anos dessa loucura!

Minha Bolha

Eu não diria que choro de saudade. Sou chorona, mas o que dispara meu choro normalmente é a lindeza, não o sorfimento. Eu chorei por diversas vezes desde que pus meus pés em Berlim e, confesso que, na maioria das vezes, o motivo era uma luz dourada batendo num prédio bonito, uma cena cheia de humanidade ou o desenho do horizonte harmonizando com o céu.

Por herança espiritual ou criação (ou por nenhum motivo) eu nunca fui daquelas pessoas que antes da terceira cerveja beija/abraça/distribui contato físico aleatoriamente sem constrangimento. As pessoas precisavam de um certo status na minha cabeça pra invadirem a bolha que delineava meu espaço físico. Ironicamente eu fiz muitos amigos explicando/satirizando minha Teoria da Bolha no fim dos anos 90 e início dos anos 2000.

Com isso, por anos tive a percepção de que não gostava de gente – que na verdade é de longe o meu maior interesse. Levei um bom tempo entendendo que cada coisa é uma coisa e passei a me expressar melhor – e melhor ainda por escrito. Meus abraços existem, são ótimos e os distribuo às pessoas mais queridas do meu mundo.

Eu acredito na capacidade de resiliência das pessoas e, de certo modo, na reprogramação que podemos fazer ao buscarmos novos significados para as sensações de sempre. Não desmereço nenhuma dor e acho que toda ressignificação real acontece de forma gradativa; com entendimento, aceitação, busca interna e por fim a vivência (ou Entrego-Confio-Aceito-Agradeço). Vejam que, quando enumero o processo, não tenho nenhuma propriedade para instaurar tais etapas como verdade. É uma mera análise do que minha terapia me ensinou e como eu consigo lidar com as adversidades automaticamente hoje em dia.

Quando sinto saudade e meus olhos se enchem de lágrimas eu foco na percepção de que é um privilégio poder estar aqui do outro lado do Atlântico, com mil planos e no meio de tanta coisa nova pra aprender e me inspirar. No fim sinto gratidão por ter gente tão querida que me deixa marcas tão positivas na existência e dou um sorriso. Em poucas ocasiões a angústia veio, mas foi assim que a mandei embora… com amor.

Já disse disse que temos sofá cama? Aguardando visitas e abraços.

Desse jeito
Desse jeito

Vocabulário dos 23 meses

Eu venho fazendo notas mentais das maravilhas que Luiza diz, porém já faz um tempo que ela tem muita propriedade pra dizer o que quer, e a dicção está cada dia mais “adulta” (o que é engraçado pelo tamanico dela e meio triste pois ela raramente solta um termo bebezento). Sendo assim, por escrito perde toda a graça; não tem como demonstrar a entonação, a pequenez da voz nem os trejeitinhos.

Enfim nos últimos dias, talvez pelo excesso de informação que ela vem recebendo, o cérebro da pequena começou a dar uns nós. Daí eu penso: agora sim temos conteúdo pra um post, haha.

Luiza tem confundido a palavra consegui com consertei. Com isso ela tenta subir em algo e fala “eu não conserto”. Termina um quebra cabeça e fala “eu consertei” – o que faz todo o sentido do mundo. E quando o pai põe pilha em algo ela fala que ele consegou.

“Tá” e “Já” também estão dando trabalho. “Eu tá acordei, mamãe”. “O Bebel já dormindo, Golias já dormindo, Papai já dormindo…”.

Ela confunde a tia Joice com o George irmão da Peppa. Então vê a foto da tia e fala “tia George”. Essa semana encontramos a tia Ju e o tio Guigo, ela chegou em casa perguntando pela tia Gugu.

Eu a vi carregando uma sacola de mercado com estampa de gato. “Filha, onde você vai com a bolsa do gatinho?”. E ela responde “É sacola” (hahah). Outro dia ela queria perguntar sobre, mas esqueceu a palavra, daí disse “cadê aaaa… aaaa… aaaa… aaa… a caixa do gatinho?”. Sim, porque na sacola se guardam as coisas, assim como na caixa. Justíssima troca.

Até um dia desses ela dizia Dipuca quando queria falar desculpa. Agora é deculpa. Reconhece a letra U pra todo lado que vai, por conta do metrô daqui. Adora números, eu digo: “olha filha! Dois gatinhos!” e ela olha pros mesmos dois e diz “olha, quatro gatinhos!”. Papai fez dez anos, tia dinda tem quatro.

Essa noite ela estava um pouco febril e às 3h00 da manhã sentou na cama e disse “quelo ver Pocoyo na telesão” e ela mesmo respondeu “Telesão tá istagado. Não. Telesão tá dumindo, tá cansado… Papai tá cansado, Luiza tá cansado, a Galinha Pitadiha tá cansado… telesão tá cansado…”

A falação não pára durante o sono. Entre uma virada e outra ela balbucia coisas como “eu quelo dançar na sala”, “melancia”, “a bolinha lalanja caiu”, “cuidado Qua-qua!” e um quase que diário “papaiiiii? papaiiii?” seguido de nada.

Nós 3
Nós 3

Em menos de um mês completaremos 2 anos dessa viagem louca que é ser mãe/pai/filha. Ela nos encoraja e alegra todos os dias, nos dá novas perspectivas pra todos os olhares e ajuda a trazer paz pros nossos corações. Todos os dias. A gratidão só aumenta, o amor também.

fando y lis

¿Si eres un gran pianista, y te corto un brazo, que haces? -Me dedico a pintar
¿Si eres un gran pintor, y te corto el otro brazo, que haces? -Me dedico a bailar
¿Si eres un gran bailarín, y te corto las piernas, que haces? -Me dedico a cantar.
¿Si eres un gran cantante, y te corto la arganta, que haces? -Como estoy muerto, pido que con mi piel se fabrique un hermoso tambor.
¿Y si quemo el tambor que haces? -Me convierto en una nube que tome todas las formas.
¿Y si la nube se disuelve que haces? -Me convierto en lluvia y hago que nazcan las hierbas.
¡GANASTE!!,
Me sentiré muy solo el día que no estés… -Si algún día te sientes solo busca la maravillosa ciudad de tar…

alejandro jodorowsky