Setênio 6 ano 3 – E Paz?

Tava buscando uma paz que eu jamais (nunca nunquinha) tive. Não consegui. Talvez porque ao sair da caixinha que aprendi a viver, sem querer, arrastei comigo um saco de culpa e com ela a dor de um luto; e os dois juntos pesavam aproximadamente 3 galáxias.

Dou minha palavra. Fui quem escalou com as unhas (e dentes?) o interior de uma garrafa de vidro opaco enquanto chorava um pranto tão tenro (cheio, tanto, farto, falho) que, por fim, puxar aquele saco (haha) teve uma mãozinha da densidade salvada (salgada, apegada, sentida, magoada, frustrada) daquele líquido. Lágrimas arrancadas de um ego em desconstrução, a lamúria do desconforto causado por um enredo improvisado ao invés do planejado.

A garrafa onde eu vivi foi se enchendo de lágrimas e eu fui ficando pequena, perdida, pesada, palavra. Imergi com muito esforço e vi por cima do gargalo um mundo que ninguém me apresentou. Seria ali minha nova morada. Normalizei o sentimento de medo, associando-o não ao perigo, mas ao mero desconhecido. (Coragem não é falta do medo)

Hoje eu sigo a filosofia da encruzilhada: minha alegria contém dor e minha tristeza se sustenta por graças. E não acabou: à medida que me permiti me acolher e me ouvir, meu corpo adoeceu e perdi o fio da meada. Onde ansiei por um galope num viçoso campo aberto tive uma sequência de quedas e tropeços (trancos e barrancos) por um caminho tortuoso, exaustivo, escorregadio e sintuoso.

Me entendo no quarto (vago, fraco, leve, vil) renascimento. A maternidade me desfez, migrar me oprimiu, separar me estilhaçou, adoecer me murchou. Mas nada disso me reprimiu: há uma alma que une o pó do que restou, e ela brilha, cresce, sente, chora e ri enquanto o ego se atrapalha. Parece que a alminha falou mais alto e, no momento, paramos de esperar e passamos a viver.

Ora, o ontem não me pertence, o amanhã me decepcionou tanto e tão repetidas vezes que o deixei. Sobrou o agora, que oscila entre brando, leve, bobo, triste, exausto ou dolorido, mas vejam só: ele sempre se vai, se esvai, se finda; já a alma fica.

Essa semana completo meus 39 anos. O branco da paz eu só vejo em sonhos. Venho aprendendo a desacelerar cada dia mais, olhar o caminho com compaixão, honrar a jornada com orgulho e arriscar saltinhos dançantes entre um e outro passo cambaleantes.

Civi na metade do sexto setênio sem paz, porém mais calma que nunca

Diários da dor Invisível – E agora, José?

Capítulo 4

Quando saí de Berlim eu tava com o coração apertadinho, do tamanho do meu dedão. Tava com medo porque ouvi dizer muito pouco sobre o trabalho da Schmerzklinik Kiel, a maioria boa, porém ditas por profissionais da saúde na Alemanha, uma categoria de profissionais que geralmente não nos entendem.

Logo que cheguei na Alemanha ouvíamos muitas reclamações quanto ao sistema de saúde. Até aí eu me pergunto: quem nunca ouviu reclamação sobre o sistema de saúde no Brasil? It is what it is: saúde é assunto delicado, médicos não são Deuses, a medicina não é ciência exata e nossa responsabilidade acaba por ser anulada por uma infinidade de inseguranças que aprendemos a ter sobre o nosso próprio corpo.

Ao invés de sermos estimulados a explorar e conhecer esse sistema complexo que é o corpo que habitamos, nós passamos a terceirizar toda a responsabilidade de entendimento pra profissionais da saúde. E não há de ser – aqui o médico fala pra mim: é você quem vai saber, vai observando, sente como está… Me orienta mas me passa a responsabilidade. E o tempo todo batendo na tecla – só remédio não adianta.

Na Schmerzklinik temos práticas baseadas em pesquisas recentes sobre a enxaqueca, uma série de especialistas e, o que me chamou a atenção: tem muito mais vivência, convivência e troca moderada por psicólogos. Os médicos vem e conversam por alguns instantes, os psicólogos estão em praticamente todas as atividades.

E dentre a gama de novas informações que tive contato aqui, destaco uma série de aulas com técinicas para conseguirmos identificar e eventualmente parar: autojulgamento, falta de auto confiança, pensamentos ruminates, [edit] como dizer não e afins. Técnicas que ouvimos aqui e precisamos compreender, assimilar e colocar em prática.

Me pergutei por que será que temos exatamente essas 5 aulas especificamente para 5 ‘problemas’, A explicação – ou parte dela – veio numa palestra do idealizador do programa, um médico doutor (de doutorado mesmo tá, haha) que tem dedicado sua vida ao tema. Em determinado momento ele menciona que ha um padrão no raciocínio das pessoas que tem enxaqueca como doença primária [não um sintoma para outra doença]: normalmente são pessoas com raciocínio rápido e que fazem muitas interligações dentro de cada raciocínio, tem uma dificuldade incrível de ir de A a B sem passar por pormenores, desvios e fazer projeções [desnecessárias?]. Ele dá dois exemplos e ambos me caem como uma luva.

No fim ele diz algo como: vocês precisam aprender a pensar menos e mais devagar. E eu [novamente me refirerindo à minha oração da manhã] sempre peço: “…que traga serenidade, simplicidade e suavidade aos meus pensamentos…”, porque siiiiiiiim, são complexos, pesados, difíceis, complicados e atrapalham meu convívio, meus prazos, a possibilidade de simplesmente viver o dia sem medir. Falei disso aqui e aqui.

O Doutor disse também outras coisas maravilhosas que esse raciocínio emaranhado pode nos possibilitar – afinal num pode ser só ruim :D

E agora? A festa ainda não acabou. Estou a 3,5 dias de ir pra casa, ha 13 aqui. Mantive a mesma média de ataques de enxaqueca de quando estava em casa, tive uma complicação nos pés causada pelo tratamento, que foi interrompido e substituído, aprendi técnicas de mindfulness pra driblar algumas pendengas e um punhado de outras coisas que podem ter um impacto positivo com o passar do tempo no meu quadro.

A realidade é que, ao contrário do que eu pensava, não tinha nenhum pó de pirlimpimpim pra passarem em mim e eu não vou chegar em casa completamente curada. Agora é ajustar a rotina, a alimentação, os horários, aguardar o novo tratamento fazer efeito e ter paciência, sabendo que há possibilidade de diminuirmos tanto a intensidade quanto a frequência das crises, de acordo com o médico-chefe, em aproximadamente 9 meses.

Escrevo com lágrimas nos olhos, parte por ter a dádiva de poder estar aqui onde parecem entender o que se passa comigo – e também pela alegria de estar confiando no Universo. Afinal, sabendo que não se trata de uma ciência exata, os 9 meses podem ser 9 dias, 9 semanas ou – esperamos que não – 19 meses.

Pá.Ci.ên.Cia.

Que saudade de casa <3

Diários da dor Invisível – (Des)necessários Devaneios, Desatinos e Desapegos sobre

Capítulo 3

Eu tive minha primeira crise de enxaqueca aos 19 anos, às vésperas de uma mudancinha de rotina – meu então namorado ia se mudar pra outro continente em um par de dias. Também estávamos no verão do Rio de Janeiro, fazia muito calor e de repente o tempo fechou e bateu um vento muito frio. Quase duas décadas depois eu sei que mudanças bruscas de temperatura e pressão podem ser gatilhos para os ataques.

Anos se passaram. Me lembro de crises repentinas nas quais não conseguia me comunicar, não entendia o que me diziam e não conseguia falar. Uma média de duas crises por ano, costumava dizer. Por vezes nenhuma no ano. Em 2016 mudei pra Alemanha e após 2 anos tive algumas crises em um mês – o que já tinha acontecido outras duas vezes no Brasil, sempre e momentos de muito estresse. Em 2018 eu tive dois (!!) burnouts. [Ou não cheguei a me recuperar totalmente do primeiro.]

Eu venho de um país e – mais especificamente de um estado que ultravaloriza o sofrimento e a culpa como moedas de troca para o sucesso. O mito da meritocracia ecoa forte, o “temor divino” limita potencial criativo. E eu, que cresci andando na linha, ainda passo meus dias permeada por uma culpa que se enraizou em mim e se exacerbou na maternidade – sigo procurando meios de me desculpar e compensar os erros que sequer cometi.

Somem isso ao viralatismo que aprendemos como filhos de um país colonizado, o jeitinho fofo mineiro ‘desculpa qualquer coisa’ vivendo aqui no “berço da cultura”. Porquê as aspas? Ora, a cultura só é ‘classica’ porque os detentores da mesma literalmente destruíram, roubaram e apagaram Maias, Incas e outros incontáveis povos originários – e continuam abafando essas e outras centenas de culturas milenares.

Volta pro meu recorte pessoal aqui. Eu falo algo na reunião do trabalho. A pessoa do meu lado fala a mesma coisa em nem-tão-rebuscado alemão, mas outra construção frasal, com partículas e sufixos que eu não-nativa não sei usar. Na próxima vez entro muda e saio calada – e foi assim por 18 meses. A migração te despe dos privilégios que você aprendeu a ter. Aqui eu sou mais uma imigrante latino-americana com sotaque. Bem sucedida, sim. Com um esforço 3x superior ao colega do lado? Claramente. Isso foi só um dos inúmeros motivos pelos quais – surprise surprise – a cabecinha pifou.

Amo Berlim e me dou ao luxo de torcer o nariz pra detalhes do choque cultural que antes apenas me admiravam. Seria o virote louco da minha enxaqueca de episódica pra crônica um produto do desencanto? A tristeza do apagamento da leonina? O cansaço de bradar que quem é do lado de lá merece ter a dignidade que se tem aqui? A frustração em ver que a colega que tá na vaga que sonhei ficou pasma com a qualidade do meu trabalho? Será minha dor um reflexo da ferida colonial? Ou foi o Covid? :)

O estresse faz parte da vida de todo mundo. Como lidar com ele é que são elas. No momento eu estou inundada na frustracão do recomeço diario da vida que quis e não sonhei – ou sonhei só que não quis. No dado momento trocaram meu tratamento profilático da enxaqueca pela segunda vez em menos de 60 dias – a última por complicações causadas por Long Covid. Estou num hospital de [ponta] cabeça (hehe) e passei 3 dias na iminência de transferência por conta de uma doença que me ataca os pés. A multidisciplinaridade tem limtes. Todos temos. [Eu tô aprendendo a me posicionar sobre os meus.]

Um dia ouvi que o contrário da vida é o desencanto. Hei de criar pausas e espaço pra caber encanto e beleza. E como eu costumo dizer após minhas orações da manhã: Que meu coração esteja livre de angústia e medo e cheio de coragem e amor. Está feito, está feito, está feito, está feito.

E que venha a Primavera daqui, e com ela o renascimento da Deusa e novos caminhos. Feliz equinócio.

PS: Vai lá assistir a Ritinha.

Diários da Dor invisível – Tratando a Enxaqueca em Kiel

Capítulo 2

Cheguei à Baía de Quiel na Quinta-feira passada, Faltavam 18 Minutos pras 10, que era meu horário de apresentação no hospital, ou ‘Clinica de Dor’ em livre tradução. Gmaps me diz que sao 30 min de ônibus ou 15 de carro. Compro um café, tomo um Taxi. No caminho o motorista pergunta se tenho enxaqueca, conto que sim e vou às lágrimas quando digo estar cansada. Ele fala pra ter esperança. Bem… leia o post anterior.

Chego à Schmerzklinik e me apresento às 10:04. Quem mora aqui sabe como na Alemanha TUDO é papel. Me deram muitos papéis. Contrato, explicação, cronograma, senha, QR code, livreto, planilha, questionário, lista, sei lá mais o que e tudo tava muito difícil. Sobe aqui, vira à esquerda, não se preocupe, minha colega vai te direcionar, pode deixar a mala, assina aqui, terceiro andar, volta no primeiro, jantar no segundo, a lista do almoço está à direita, vão levar no quarto (oi?)… eu só apertava ozóio – a essa altura concordar com a cabeça engatilha enxaqueca.

Fui falar com o médico na hora do almoço e a sala estava muito clara. Pedi pra pararmos depois de algum tempo porque estava com fome e a claridade estava forte demais pra mim, fiquei atordoada. Ele disse que voltaria pra me visitar amanhã, embora não o façam às sextas. Dei uma volta fora do prédio. “Parece Münster”, pensei.

Sexta-feira foi outro dia com o “freio de mão puxado”. Entendendo quase nada, pedindo pra repetir, óculos de sol na cara. Tomei uma medicação que indicaram pra retardar a dor e melhorei. Tive um fim de dia razoável e início de sábado bem bom. O fim do sábado porém não perdoou…

Pois bem, como manda o figurino: tive a bendita enxaqueca no hospital de enxaqueca. Fiquei zureta como uma barata tonta, enclausuradinha no breu achando que tava fazendo algo muitíssimo errado [aguardem o próximo post]. No Domingo pela manhã tomei a medicação indicada pelo médico e desde então passei a entender o que se passa ao meu redor com certa suavidade e uma facilidade razoável pro padrão pessoa-latino-americana X Alemanha. E assim que entro na normalidade percebo que o quadro dos dias anteriores me dava acesso a uns 15% da minha capacidade de raciocínio, quiçá 20%.

Aqui temos Seminários sobre nutrição, técnicas de relaxamento, treinos para fortalecimento das costas, yoga, Qigong, gerenciamento de estresse, Psico e Fisioterapia mais uma gama de outras atividades opcionais. Além disso, os altamente recomendáveis/mandatórios: exames de pressão, laboratoriais, acompanhamentos médicos, preenchimento da tabelinha com indicação do nível de dor e DESCANSO – já que dentre os principais fatores dentre os inúmeros desencadeadores da enxaqueca… um deles é o estresse.

Há dois dias consigo me alongar quando acordo. Um pouco porque ainda fico levemente zonza ou unbalanciert, como dizem aqui. Ontem (Segunda-feira) consegui fazer um pouco de esporte, hoje mais um cadiquim. Repassei a papelada que recebi na Quinta-feira e entendi tudo o que vi. Temos uma vista lindíssima do prédio e a paz e o silêncio reinam quase o tempo todo. Várias informações muito relevantes já foram pras minhas anotações e uma pequena luz no fim do túnel se acendeu, outras se apagaram.

Falei pro médico hoje que ele está a par do meu processo completo, pródromo, aura, ataque e o que ele chamou de “post migraine honeymoon”. Nos últimos 8 meses, porém eu vinha pulando a última fase ou a substituindo por ansiedade/medo do próximo ataque.

Acolhimento? Nem tanto. Validação? Sim. Atenção? Nhé. A propósito, agora com o cérebro em algum lugar acima dos 80% da capacidade – não parece Münster ne de longe. Nem de cabeça pra baixo.

E continua…

Diários da dor Invisível – Enxaqueca em terras germânicas

Capítulo 1

Comecei a reler A Hora da Estrela da Clarice Lispector – que nunca terminei de ler como outros trocentos da minha lista. Enquanto me prendo nas palavras do sádico e confuso narrador Rodrigo SM, o texto me dói e me causa angústia. Angústia minha, que sou uma versão de Macabéa nas terras germânicas, indo me tratar na esquina com a Dinamarca de uma doença invisível em uma língua que eu, [incompetente, diria Rodrigo] – gaguejo quando tenho crise. Céus, gaguejo em qualquer língua! E enquanto sinto o peito queimar eu me pergunto porque meus alcances de post na rede de ibagens (hshshs) crescem tanto desde que passei a bradar minha literal dor.

Dentro dos meus processos eu entendo que [acho que] busco acolhimento, validação e atenção. Nas idas e vindas de likes e recortes populares com discursos monetizáveis sabe-se também que, pelo menos desde os tempos do coliseu, nós gozamos o sofrer alheio. Nao acuso aqui [quase] ninguém de estar se deliciando com minhas dores, mas sim de sermos uma sociedade ensinada – por auto proteção? – a perceber, focar e usar mais nossa atenção com o que nos impacta negativamente.

Entretanto, enquanto passo meus dias num completo estado de sobrevivência há pelo menos 3 estações, esse compartilhamento de dor me reconectou com amigos que compartilham também a língua, o drama, riem das minhas piadas com nuances inguísticas e entendem toda essa cultura do migs ta foda – outros mais formais. Essa reação está ressoando como um leve semblante do que um dia eu chamei de esperança.

Há dois anos eu me separei e comecou a pandemia. Eu estava vivendo um luto profundo e me reconectando com meu corpo de uma forma quase obsessiva – movimento que comecou como forma de driblar a enxaqueca. Estava trabalhando a minha espiritualidade com amor, entrega, medo e dedicação. Hoje eu sobrevivo. Em alguns dias minha cabeça fica tão atordoada que soluções simples são irreais. Chego a levar quatro tentativas pra passar meu café. Às vezes desisto.

Os médicos (Rodrigos?) perguntam quando me vêem pela primeira vez se algo mudou na minha vida na época que as enxaquecas pioraram. Sim, Rodrigos. Eu migrei, minha gramática foi arrombada pela sua, minhas verdades são batalhadas, sai de um relacionamento de 12 anos, minha irmã se mudou pra cá, adoeceu e voltou, me mudei três vezes, tive 7 chefes em 4 anos, tem pandemia, fui infectada no primeiro round, passei a ter problemas de circulação sanguínea e em questão de semanas minhas enxaquecas enlouqueceram. E tá tendo guerra ali no pais vizinho do país vizinho. Eu tô eliminando detalhes.

Eu tinha uma-duas crises por ano. Agora chego a ter duas por semana e algumas duram uma semana – façam as contas. É tão irreal programar algo que a ansiedade se tornou uma piada inóspita. Já o medo… Tenho medo de me alongar. Tenho medo de me exercitar. Tenho medo da próxima dor e agora um eventual medo de subir escada, que é um gatilho de crises pré instauradas.

E nessa saudade da saúde que eu achava não ter eu resolvi fazer um apanhado da minha vivência aqui – por motivos médicos, para facilitar a memória que me falha drasticamente nos ultimos tempos e – pasmem – em busca de acolhimento, validação e atenção.

Amanhã entro no Hospital de dor de cabeça crônica e enxaqueca de Kiel. Mais longe que Goiás. Me desejem sorte: a otimista inveterada que vos escreve perdeu esse dom em algum lugar do passado. Há de voltar. Se ainda houver mundo. 

Entre Luz e Escombros

Um dia cinza como outros 250 por ano em Berlim. Quando um pequeno feixe de luz irradia um cantinho da casa lá vai a cachorrinha se esticar e se aquecer enquanto eu permeio uma infindável lista de pendências e urgências num dia-a-dia preenchido com o [que me soa] primordial. O fim do ciclo sempre parece estar logo adiante, com ele o precioso recomeço.

Sabedoria canina

Das vidas que vivi destaco a velocidade (veracidade? voracidade?) em que as coisas pós migração aconteceram (acometeram? atrocederam?). Uma vida pra planejar, vida pra encontrar a creche/pre-escola pra cria, vida pra achar um apartamento permanente [haha, que não era permanente], vida pra se estabilizar [haha2], vida de pandemia/ processo de separação e a longa vida que venho vivendo na antítese do que vislumbrei. No meio de tanta morte delimitando cada etapa, venho percorrendo os feixes de luz – percebendo-os ou não.

Quando o Tarot me mostra a Morte ou a Torre eu vibro a validação. Em pouco mais de 5 anos na Alemanha a Roda da Fortuna segue a girar. Não seria o próximo passo mais leve? Está! Posso confirmar! Não há um dia que não pense o quanto as coisas estão difíceis e não há um dia que não passe por elas de forma menos penosa que outrora. E, apesar da timidez, o sol está lá mais uma vez, eu sei. Seria aceitação?

Aqui a sol é feminino, die Sonne

Tarefeira e viciada em estresse que sou [aos poucos domando esse capataz de mim] sigo como um tratorzinho em busca das tretas que a vida oferece. A burocracia alemã me é um prato cheio na racionalização, o trabalho me exige a prática dessa paranóia. Tá bom Civi, canaliza isso aí e me deixa viver em paz aqui, observando e me conectando com aquilo que não se mede e não se vê.

A jornada do herói do lado de cá se dá num piscar de olhos. E isso num mar de privilégio com a constante de não pertencer a lugar algum. Haja fôlego e força pra tantas heroínas nos dias cinza sem luz solar. Haja-os também pra nossa gente sem amor, dignidade, seguranca nem liberdade. Que possamos em meio a tantos dias cinza (no céu ou na essência) nos apossarmos do sol que reluziu dentro de nós e começarmos mais uma vida, e outra – e outra – e outra. E se no seu caminho tiver um espelho, tome o tempo: se aprecie. Se tiver um raio de sol, respire fundo: se aqueça.

Do lado de cá eu o farei. Quando der. Hoje não deu.

Como (me) ser? Como se faz?

De quantas dores você se fez? Dores físicas, desconforto, paralisia, desencanto?

Por aqui tenho uma mente tagarela e cruel. Auto punição e julgamento, busca de lógica onde não há, pequenos loops me levando de lugar algum a nenhum lugar, avalanche de ideias não relacionadas concomitantes e muitos outros nada-irrisórios sintomas de quem simplesmente não se deixou e aceitou apenas estar (aqui e agora).

Parei de escrever sobre minhas ideias quando me tornei mãe, passei a escrever sobre a cria que me inspirava. Vida nova e poesia: renascer com ela, me moldar, me estranhar, me abandonar, me perder de vista — e depois sentir minha falta, me buscar e terminar desfazendo tudo o que eu conhecia como segurança (repetidas vezes, enquanto houvesse algo). E quando só havia pó eu me pus a chorar. O choro dolorido se tornou uma tribo, um ar, um punhado de sentimentos novos e no fim um lar, sempre — as vezes a duras penas — acolhendo a tristeza latente.

Dor. Dizem que por ela acessamos o que somos. Depois de me multiplicar, me transformar e finalmente me perder, me presenteei com uma perspectiva de um enorme nada. Porém, esse nada dizia apenas do desconhecido, ‘nada’ que eu, ex-controladora, fosse capaz de prever. Porém o vazio estrutural se transformou numa infinidade de possibilidades. A única coisa que não deixo de ser: a mãe da Luiza — a menina que veio a ser o meu ponto de partida.

Luizoca Pipoca 6 anos

Problematizo tudo, porém problematizo com ainda mais afinco a maternidade compulsória e o amor materno natural e inato. Um médico que me acompanhava na gestação me deu o aval (porque tem que ter chancela pra autorizar /ironia) de construir meu amor pela minha filha dia após dia, como fiz com outras pessoas. E avassaladoramente veio esse pequeno ser me dilacerando e me fazendo desmontar o que existia pra ser (outro?) alguém — por ela, pra ela e, quando dá, com ela.

Depois de migrar em família desfiz — desfizemos! — um relacionamento de 12 anos, com a as bêncaos dos deuses. [Aceitar o fim de um ciclo é uma grande dádiva que nos liberta de uma vida que poderia ser desastrosa. Poderia não ser, mas não sabemos porque escolhemos o desfecho :}] Encaramos uma dor, quase do tamanho do amor pela miúda, que se alastrou por meses ou anos, nem sei… [e alguém sabe contar tempo pós pandemia?] Eu só sei que passou. As vezes mais, as vezes menos. Dia após dia reconstruir uma outra relação familiar sem o componente romântico entre os pais. Me recompor e me centrar pra tentar descobrir , por debaixo das diversas camadas pensantes: eu?

Viajando sem ela mas tirando foto pra ela

Perdi as contas de quantos insights, por vezes contraditórios, vieram delineando esse esboço da mulher que sou. [Há muito pouco tempo me permitindo, ainda com certa estranheza, me chamar de mulher… como se finalmente tivesse aceitado crescer.] I am a free lady trapped by the system, repito pra mim e pros outros quando algo não-previsto ou não-convencional passa por mim. De fato estamos todos de alguma forma ligados / presos a um sistema que nos impede de reconhecer e conhecer o lado de lá do espelho.

O bom e velho: eu não sei o que quero, mas sei o que não quero. Tenho menos saúde — Gracias long Covid. Porém: tenho mais leveza, aceito menos cobranças, sou mais debochada, menos articulada, mais curiosa, menos conectada… e tenho uma amável facilidade em me conectar com minha filha, e isso muitas vezes a única coisa que realmente me importa.

Com quantas dores você se fez? Qual a forma do seu acalento? O meu continua perdido, no entanto o percebo um cadiquim no sorriso (atualmente) banguela dela. Aquela que um dia há de se orgulhar de uma mamãe que ousou fazer um tudo de coisas fora do script. Doa o que doer.

O resto é consequência.

PS: 2022 e pelo visto ainda escrevo sobre maternar.

Pacificamente Desajustada

Originalmente postado em 17.11.2019

No meu finado, perdido e, até o dado momento, irrecuperável blog eu mencionei por diversas vezes o estado do migrante de não ser daqui nem de lá. Meu pai costumava me dizer quando criança que isso traria uma permanente insatisfação. Hoje ele mesmo migrou — mais de uma vez — e eu me percebi alinhada e confortável com o sentimento sou-de-lugar-nenhum.

o lado de lá daqui

Tenho uma ligação forte com alguns lugares específicos, uns conhecidos outros ainda não. Minha crendice/espiritualidade me convence que a conexão vem de outros planos enquanto minha inadequação e inquietação se sustentam onde quer que eu vá. E independente da conexão, eu amo viajar e poder ver gente e culturas diferentes do que sei.

Quem me conhece bem sabe que tenho dificuldade com algumas dualidades e fonemas específicos, aprendo devagar e quando falo misturo esquerda com direita, antes com depois, água com égua, sem vergonhice com coragem e beber com comer; opostos ou similares, nenhum termo será salvo. Feio, bonito, errado, certo, devagar, lento, limpo e sujo ganham significados únicos dentro de 6 bilhões de cabeças, moldados por seus respectivos repertórios.

Eu, business-bruxa e executiva-podicrê, que dou risada falando sério e choro de alegria, passei os últimos dias em trânsito entre reuniões de trabalho, relatórios importantes (pra quem?), uma saudade do tamanho do planeta e reencontros mágicos, somando pontinhos e criando conexões pra minha vidinha.

Encontrei uma prima incrível que não via há pelo menos 2 décadas, reencontrei meu best friend da época da faculdade e padrinho de casamento, não vejo minha filha há mais de 3 semanas (e ela está sapeca e plena visitando a família), conheci pessoas que deram faces à um parceiro de trabalho de mais de 2 anos, em breve eu pisarei no quarto país em 30 dias e vejo claramente mais um turbilhão de trabalho pela frente. Estou feliz, triste, animada, estressada? Não, sim, plenamente, certamente e de forma alguma. E tudo bem; o confuso me soa realização pessoal. O estresse de trabalho incluído, com a lindeza de saber que é só trabalho.

Por uma série de motivos e acontecimentos somados à terapia e treinamentos tive a graça de entender que meus sentimentos não são quem eu sou. Tenho raros picos de alegria, normalmente em shows de rock ou num parque debaixo do sol com minha família. No restante do tempo eu aceito, confio, entrego e agradeço, o resultado é paz.

Sair dessa linha de raciocínio as vezes acontece, errar faz parte do aprendizado dá graça à vida. Vai ver meu finado Blog morreu pra ninguém mais precisar ler o que não era mais eu.

Desculpa se disse bobagem, é que não sou daqui (marinheiro só).

Meu trabalho em Berlim

Definir prioridades priorizando qualidade de vida

Originalmente postado em 12.03.2019

Quando comecei a trabalhar fiquei impressionada com a falta de assuntos de cunho pessoal, com o fato de ninguém abrir o próprio email ou atender o telefone. Afinal, there’s no fun in Germany.

Lembra desse meme?

Eu só tive experiência com uma empresa na Alemanha até o momento, então não sei se tive sorte ou se é um padrão. Diversas vezes no escritório me disseram pra não levar o trabalho pra casa. “Eu faço isso, você tem uma família, eu não”. Família é mais importante, saúde é mais importante.

Na minha entrevista de emprego, o entrevistador era o diretor de operações da empresa, atualmente meu chefe direto. Não me lembro de ele ter perguntando se eu tinha filhos, mas eu mencionei a filhota ao dizer que não gostaria de fazer o trabalho em horário integral. A resposta foi que eu poderia fazer 30 ao invés de 40 horas, pois a diferença do salário não compensaria minha ausência na vida de uma criança pequena. “Se eu fosse pai não trabalharia horário integral”. Chamei a miúda de “meu melhor projeto” e ele me disse sorrindo que com esse nunca iriam competir. Anotado.

Tive uma enxaqueca na sexta passada e meu fim de semana ficou esquisito. Me senti cansada na segunda. As 15h, pouco antes de sair, pedi a terça de férias pro novo chefe (que está no cargo há uma semana), ele disse “sem problemas, eu fico no floor, é bom pra me familiarizar com a equipe”.

Achei prudente avisar o atual chefe, mandei um whatsapp com algo como “Amanhã não virei, preciso ficar em casa. Minha enxaqueca não foi totalmente embora. Vou, porém, checar os emails pois tenho uma call com cliente X as 13h”. A resposta que recebi foi exatamente: “Sure. Take some rest. And don’t work too much.”

Aprendendo a língua :)

Sou chefe de uma equipe de 15 pessoas em expansão, tenho 3 pessoas de confiança (algo que seria como coordenadores) que junto dos meus dois chefes fazem minha presença saudavelmente dispensável por alguns dias. Ou duas semanas. Na ausência de um deles eu também faço o que estiver ao meu alcance pra minimizar o impacto.

Férias na Alemanha

Normalmente as pessoas têm de 25 a 30 dias úteis de licença paga por ano. Eles podem ser tirados isoladamente – como meu dia de hoje – ou em sequência. Ou seja, por serem dias úteis – ao contrário do Brasil -, uma sexta e uma segunda debitam só 2 dias no seu acordo e você naturalmente usa 4. Metade de um dia também pode ser usado – por exemplo pra uma visita ao médico.

Normalmente a cada mês trabalhado você está elegível a 2 dias de férias que podem ser acumulados, mas de preferência não muito, ha. Enquanto gestora, eu instruo que os dias isolados sejam solicitados no mais tardar na semana anterior e sequências com pelo menos um mês de antecedência — porém férias próximas ao Natal e de verão começam a ser planejadas com 3 ou 4 meses de antecedência. Assim consigo evitar ausências concomitantes de pessoas com mesmos habilidades/perfis.

Acontece as vezes de eu ir até um funcionário e pedir por gentileza pra ele agendar férias, porque em quase 5 meses ele pediu nenhum dia, ou poucos. O ideal é que, antes de cada 12 meses de trabalho serem finalizados, todos os 26 dias ou boa parte deles já tenham sido usados.

Fun facts about Germany

Eu vivo a seriedade com que a Alemanha é vista, mas também vejo uma Berlim despojada em uma média de 3 minutos por semana no meu trabalho. Sim, isso foi uma tentativa de piada ruim como as diversas que eu solto em momentos inoportunos e quase ninguém ri.

Dentro do escritório há muito pouco tempo hábil pra relações se tornarem uma amizade, porém há um imenso respeito pela necessidade do funcionário em passar tempo com sua família ou simplesmente fora do escritório.

Além disso, estranhamente pra uma brasileira como eu, existe uma verba pra gente passar algumas horas juntos fora do ambiente formal a cada 3 meses, visando nos conhecermos melhor.

Tem hora pra tudo: até pro happy hour. Now go back to work.

Desintuitivamente

Eu sinto saudade. Mas de um jeito louco, sem sentido.
Eu não consigo compreender como podemos estar tão distantes e tão unidos. Minha família é meu cerne, minha base e está dentro de mim programados em cada célula minha. Amo até o infinito. Meus amigos tem todo o meu coração e minha eterna gratidão e admiração. São responsáveis pelo que me tornei e pela vida que construí. Estão em cada passo que dou.
Daí – pasmem – eu tenho uma saudade imensa e devastadora de quem? De mim. Descobri muito recentemente que meu perfil extremamente racional (para padrões brasileiros, diga-se de passagem) é muito mais um ônus do que um bônus. Minha energia não flui, as medições não acabam, a análise não tem fim.
Quando nos mudamos pra Berlim a pouca dedicação que eu tinha pra com o meu coração se tornou nula. Não queria sentir nada e não queria me deixar distrair. Essa coisa de migrar é muito doída (e doida também). A gente começa a se ver como nunca se viu, põe tudo em perspectiva, repensa as maiores convicções, porque agora o mundo começa a te mostrar facetas que não eram perceptíveis nem assimiláveis. Aqui eu excluo todas as dificuldades práticas da expatriação.
Calei meu coração pro medo e me enchi de argumentos que me deram coragem e gratidão. Ainda assim: usei argumentos. Analisados, escolhidos, com diversos desdobramentos e ajustes. Cada ideia sendo tratada como um projeto. Esse trabalho não tem fim.
Com tanto foco nos meus pensamentos, eu esqueci de mim e quem eu sou – com uma mãozinha, claro, da maternidade.
Estou tentando racionalmente resgatar minha intuição e alguma leveza, enquanto estimulo minha irracionalidade (no melhor dos sentidos) por meio de experiências sensoriais e flertando com a magia.
PS: nada como uma auto análise de complexidade mediana pra se sentir produtiva em tempos de ódio.